sábado, 9 de janeiro de 2016

Amadurecendo...

 Não sei como nem onde foi que minha vida mudou.... Ou melhor que minha alma mudou, evoluiu.... 

     Sempre ouvi  frases feitas sobre a vida, sobre como viver, sobre como era amar.... Mas sempre me senti muito frustrada, afinal na minha vidinha nada daquilo acontecia.... Eu não amava, não era  amada , poderia existir algo mais frustrante do que isso?? Que vida infeliz eu tinha! Nunca conseguia ter nem a metade do que o pobre mais pobre de uma novela tinha?? Nem material, nem de vivências amorosas e relacionadas a família e amigos...

     Gente! Hoje sem mais nem porquê, entendo muita coisa, não comparo mais minha vida com uma novela, é claro,  aliás, nem acompanho novela, apenas vivo e não procuro também seguir frase feita ou filosofia de botequim, apenas abro meu olho pela manhã e tenho gratidão por mais um dia, pela perfeição do corpo que carrega a minha alma atormentada de dúvidas, gratidão pela perfeição do universo e pela oportunidade de aprender um pouco mais a cada momento vivido.... E foi assim que descobri o amor!!  

     O amor está na criação, o amor está em tudo aquilo que se dá e não se espera retribuição....O amor sou eu, o amor és tu, o amor é a formiguinha, a borboleta, a abelhinha....
         
         O amor foi um sentimento que ficou tão grande tão insuportavelmente grande que não coube mais em si e se partiu em pedaços formando seres perfeitos e inteiros mas que os que sendo humanos não se compreendem e não se usam (não se amam), os bichinhos sabem que são amor, pois eles não precisam pensar, apenas viver....
     
        E eu aqui em meio a eles me dou conta que aprendi a viver justamente no momento que comecei a respeitá-los. Interessante não? Foi através deles que consegui entender que eu sou amor materializado...

     Pode parecer estranho eu ter desenvolvido este apego e proteção pelos animais e não pelas pessoas, mas a alma do animal é tão pura que se assemelha a de Jesus.... O animal tem gratidão, tem amor.... Ele tem pureza, não faz o mal a não ser por instinto de sobrevivência, o ser humano é  sórdido, cruel..... Faz maldade com consciência.... 

     Eu não costumo me apegar... E eu falo, bah, não sou de me apegar em ninguém... As pessoas levam isto para o lado da indiferença, quando na verdade é auto proteção. Eu sou meio bicho... Faço pelas pessoas o que elas precisam, não espero que me retribuam... Mas "abano o rabinho" quando me dão carinho e atenção verdadeiros... E fico ferida lá no fundo da minha alma quando levo "chutes e pontapés" dos humanos(quando alguém me magoa, decepciona, me usa...) e qualquer um pode ler esta mágoa no meu olhar, assim como no olhar de um animal...

      Me dou conta de que eu aprendi a gostar da solidão, por que nela eu me encontro, nela eu cresço, aprendo, amadureço... A minha solidão é na verdade acompanhada... Nunca estou sozinha realmente e olho em volta e vejo pessoas conversando, mãe e filha, marido e esposa, amigos, sei lá e me vejo naquele velho vício humano de imaginar que o pasto do vizinho é mais verde que o nosso,e assim segue o caminho das pedras.... Fazendo uma ferida aqui, outra ali. Cicatrizando e deixando suas marcas profundas para nos lembrar de fazer diferente numa próxima oportunidade....

     Quanto a mim estou no aguardo da nova chance de me desenvolver outra vez em um útero amoroso e traçar meu caminho de uma forma melhor....
Mais espiritualizada um pouco eu acredito que virei, pois já abrirei meus olhos sabendo respeitar  os animais como irmãos.... Creio que o útero que irá me abrigar nesta nova experiência será vegano,  para que eu possa dar continuidade a minha evolução.

E sigo a minha bailanta do esquisito, da solidão acompanhada, de uma alma atormentada por uma mente aprisionada num corpo que não lhe pertence....

Nenhum comentário:

Postar um comentário